.mais sobre mim

.posts recentes

. Amor desconhecido

.tags

. amizade

. amor

. brincadeira

. coisas

. dia

. il divo

. mãe

. parabêns

. poema1

. poema2

. poema3

. poema4

. poema5

. poema6

. poema7

. poema8

. prisão

. sos criança

. todas as tags

.arquivos

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

Sexta-feira, 20 de Abril de 2007

Amor desconhecido

 

Que amor desconhecido é esse,
que nos envolve
e nos faz perder a razão, 
deixando-nos insensatos, descuidados e
inseguros sem a presença
um do outro?
Mas, ao mesmo tempo,
ansiosos, veias latejantes,
respiração ofegante,
coração pulsante,
no descompasso
de cada um dos nossos passos?
Que amor é esse,
desconhecido, mas amigo,
leve, livre e solto,
absorto em si mesmo
pois nos deixa tontos,
zonzos, sem querer saber nada
a não ser um do outro?
Que amor desconhecido é esse 
que passeia entre a gente
e as almas transparentes
se envolvem em luzidios cristais
brilhando intensamente
entre corpo e mente?
Que amor é esse, desconhecido,
que nos faz ficar desse jeito:
tolos, meninos, infantis
na verdade, pueris?
Que amor é esse, desconhecido,
que nos seduz, onde o corpo deseja
almeja, ardente, em chama flamejante?
Ah! Esse amor é meu conhecido,
amigo, amante, 
de paixão sem razão
mas que me seduz,
me envolve e me traduz,
em claridade solar,
só querendo e vivendo para amar.
De dia, de noite, a todo instante.
Amor amigo, vem me amar!
Sem um instante sonhar
E em meus puros devaneios,
concretizar

sinto-me:
tags:
publicado por anafreitas às 02:36

link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito